teste de postagem
Hello people!!!!
Um século sem pisar aqui (se bem que nunca pisei aqui) e voltei do mundo das fadas pra vir falar pra vocês de um produto que não veio de lá, mas bem que poderia ter vindo!
O óleo de tratamento capilar da Natura. Sem frescura, esse foi o melhor óleo de cabelo que já usei em toda a história. É simplesmente perfeito! Então, se você estava pensando em "investir' quase R$ 400,00 dilmas em um vidrinho de Moroccanoil, é melhor repensar e dar uma chance pro brasileirinho aqui.




Queria muito dizer que ele é um achado super baratinho e tals, mas isso não é verdade e o ponto que ele perdeu comigo foi só nesse quesito. Porém ele custa 10% do valor do famosão, então acho que pra mim compensou conhecer esse aqui
Na embalagem diz que ele é um mix de óleos nutritivos e que contem óleo de pecan (nunca vi, nem comi...) macadâmia e gergelim. No meu ponto de vista, se colocasse óleo de coco misturado aí ia vender mais kkkkk pq as "bloguera fitinês" iam comprar pra beber (maldades).
O fato é que meus virgens cabelos estavam sofrendo a variação de tempo que temos aqui em Teresina (passamos de calor constante, para quentura fervente) e ele deu uma melhorada na situação.


Segundo o que diz aí, ele tem 3 formas de uso


  • Como reparador de pontas
  • Como potencializador de tratamento
  • Como pré shampoo (jamais usaria um produto desse pra lavar logo em seguida, só acho!)


Quantidade: 100ml - É bastante já que se usa apenas uma ou duas gotinhas
Preço: R$ 39,90 - Não sei se todo mundo paga o mesmo tanto por ele
Nota: 9,8

Se tem uma coisa que faz diferença pra vida quando se trata de maquiagem é a máscara para cílios. Eu não consigo ficar sem e desde a minha entrada no mundo da maquiagem já devo ter testado umas cem! (no mínimo!)
Algumas ganharam morada efetiva na necessaire como é o caso da Mastercils 3D do Boticário e outras foram direto pra lixeira  por motivos variados
Essa ladainha toda é pra falar que nunca antes na história desse país uma mascara conseguiu o que essa conseguiu que foi realmente mascarar os meus cílios!!!!!!!
Sabe aquela sensação de badalar a noite toda e chegar em casa com os cílios do mesmo jeito de quando você saiu? Pois é!
Agora, é preciso considerar que ela tem um grande defeito e uma grande qualidade.
A grande qualidade é que ela não sai de jeito nenhum e o grande defeito é que ela não sai de jeito nenhum meeeeemo!
Como ela é em gel (O que a diferencia das outras) é mais fácil tirar puxando os pedaços do que usando um demaquilante. Pra ter uma ideia, nem meu demaquilante power foi páreo para ela, mesmo assim nosso caso de amor perdura porque passo pra que ela fique mesmo hehe

Nome: Máscara para cílios Big Impact - AVON
O que diz a marca: “fórmula gel-creme que proporciona mais volume sem grumos e sem borrões. O formato curvado do aplicador com cerdas de diferentes níveis alcança todos os cílios para um volume explosivo 360º. As cerdas ajudam a separar e definir os cílios, da raiz às pontas, deixando-os livres de grumos e sem borrões.”
preço: R$ 29,90
Nota : 9,5 Só não é 10,00 porque o pincel aplicador embora seja bom, é imenso e pode fazer m**** com facilidade


Quem é? Gabriela Lada Ferreira "Pugliesi"
Idade: 29 anos
Peso: 58Kg (!!!)
Altura: 170cm
O que faz? Atualmente é uma das pessoas mais "seguidas" quando se trata de estilo de vida saudável, malhação e todo esse universo fitness.
Mantem um bombado Instagram no qual já conta com quase 1 milhão de seguidores e um blog cujo tema principal é o que lhe deu visibilidade (fitness) é o Tips4life nele ela dá dicas de exercícios, alimentação e fala sobre o seus gostos pessoais e estilo de vida.
Por que acompanhar: Mesmo que a sua intenção não seja ficar sarada e esse tipo de assunto não mexa com você (nem comigo rs) é bem legal seguir a "Pug" pela vontade que ela te da de correr. É sério. o efeito é imediato. Você assiste o vídeo e dá uma animada. Além disso tem mais 10 (11) motivos listados aí
Não esquece de comentar o post OK?

1 - É UMA EX GORDENHAA

Nada demais nisso, não fosse o fato dela ser atualmente um dos maiores expoentes do lifestyle saudável e um corpo de fazer inveja até nas mais seguras de si.
Segundo ela mesma conta, o processo de transição que a deixou do jeito que é hoje aconteceu de forma gradual e sem excessos, sem radicalismos e virou filosofia de vida.

2- MALHA TODOS OS DIAS (SEMPRE, SEMPRE, SEMPRE!!!!)


Pago um pau sem precedentes pra quem consegue malhar todos os dias. É uma coisa que pra mim não é de gente desse mundo. Não consigo meeeesmo! A preguiça manda e eu vez ou sempre obedeço rs. Mas não a nossa heroína! Pra ela não tem tempo ruim e além de fazer ela ainda prova, mostrando tudo no seu snapchat. Já segue? (ga.pugliesi)

3- É UMA PESSOA HIPER DIVERTIDA

Como que a gente faz pra lidar com uma pessoa que além de linda e bem sucedida ainda é divertida? A gente só ama mesmo que já tá bom né não?
Eu não acompanhava a pug #eufazendoaintimasempre #nãoconsigoparar #maisfortedoqueeu até que um dia uma amiga minha falou " tu que agora inventou que malha já conhece a "pugliesi"?" (amiga fofa!) e eu disse que sabia quem era mas não seguia e tals.
No dia que assisti o primeiro vídeo paxonei forever e assisto tudo e indico também (vejam!)

4- JÁ FOI CASADA COM UM BOY MAGIA


Descobri isso hoje e portanto não sei se ele é essa magia toda, mas é gathénho e isso é tudo que sei sobre. Ah! e que o sobrenome "Pugliesi" é dele  e que ela por ter o nome como marca registrada continuou usando (babado!)
Não vou bisbilhotar porque sou fina e tals (#sqn!) O casamento foi na praia, a festa foi liiiinda de doer e não faz muito tempo. Não sei mais detalhes porque eu fui ali em Marte passar as férias (me contem nos comments)

5 - NAMORA UM "GATO"!


O namorado da colega é lindo, tem um estilo meio lenhador de filme infantil e é mais dividido do que as parcelas daquela sua viagem pra parati. Ele é ligado no mesmo estilo de vida da pug e os dois juntos são uma coooisa.

6 - SEU SUCESSO VEIO POR "ACASO"

Nada nessa vida é por acaso fias não se enganem. Se ela tivesse ficado sentada naquele sofá mara que tem em seu loft nada disso teria acontecido. O por acaso nesse caso só quer dizer que o resultado esperado talvez não fosse esse.
Hoje ela tem quase 900mil inscritos em seu instagram e é sempre uma das pessoas que figuram nas listas de "quem seguir" no gadget.

7 - É VICIADA EM TÊNIS 

Ela se auto declara viciada em tudo o que é ligado a esportes (chega a passar 6 horas em lojas do ramo), mas o vicio em comprar tênis é o maior entre eles. Numa matéria sobre o assunto em seu blog (O tips4life) Ela fala duns 15 pares que são os seus "preferidos"

8 - CUIDADINHOS DE BEUTÉ

Ela se esforça pra ser uma das pessoas mais linda da web (e tá fazendo efeito!) mas é claro que isso conta com a ajuda de algumas coisinhas néah? Entre essas coisinhas estão: (além de um par de olhos verdes e um bronzeado eterno cof cof)

  • Ultra Accent e o Manthus  (para celulite e gordura localizada)
  • Radiofrequencia 
  • laser Gênesis (para o rosto) 

Além disso ela capricha nos cuidados com a pele usando:

  • sabonete da Avene ou Kiehl’s
  • sérum da Clinique
  • hidratante Baume da Clarins
  • Sérum 10 da SkinCeuticals
9 - NÃO USA MUITA (QUASE NADA) MAQUIAGEM

Não precisa néah fia OK! Mas quando usa gosta de algo bem sutil com uma pele delicada para a qual ela gosta de usar apenas a base Face and Body C5 da MAC e o blush da Guerlain.
Porém, maquia as pernas!!! usando o iluminador da Best Bronze

10 - É UMA PESSOA "GOOD VIBES" 

Não existe como ouvir essa palavra e não imaginar alguém fazendo pose de buda em cima de uma pedra rs.
A Gabriela até por pregar um estilo de vida saudável e tals, tem em todos os seus vídeos esse lance de se aproximar da natureza, manter o pensamento positivo, (bater palmas pro sol...) E além disso tem uma relação beeem legal com os animais, incluindo o seu cachorro (que tem instagram com quase 35 mil seguidores) e que come coisas naturais tipo clara de ovo com batata doce, o que pra começo é bem legal né? mas num quero nem imaginar ... deixa pra lá! kkk

Bônus: Escreveu um livro! 

Tem mais alguma coisa super importante que não tem aqui? Me conta aí nos pitacos!
Ah! e me diz alguém que você acha que deve aparecer aqui na tag "10 fatos sobre"
Bjocas!

Preços pesquisados em Maio de 2015

Sou a loooouca do batom matte. Por aqui meu bem, brilho só o meu e o resto é fosco,principalmente o batom.Demorei a acostumar a usar batom todo dia, aquela sensação melada me deixava nervosa e tals. Foi aí que um belo dia "O Boticário" me apresentou meu primeiro batom matte. Eu já era batonzera por opção, mas agora foi o apogeu absoluto, a paixão arrebatadora, a necessidade compreendida.

Eu já tinha uns 50 batons matte em bastão quando então surge, para encher meu <3 de alegria, os batons matte na versão líquida. (Aí simm!!!)Meus primeiros foram da vult. Eram baratos e dava para experimentar se era isso mesmo que eu queria. Na primeira vez que usei e ele "colou" na minha boca, surtei!!!!Fui logo em busca de adquirir mais e mais hehe (pega a louca do batom!!!!)Na busca encontrei esses outros aí da imagem e testei todos. Achei mais um preferido, o da "Dailus" e não paro mais de jeito nenhum!Nas minhas pesquisas pra comprar outras marcas nacionais que valessem a pena indicar aqui, encontrei o blog e o vlog da Duda Fernandes. É dela esse vídeo mostrando vem alguns batons da vult que eu também tenho. Dessa vez fiz a preguiçosa e postei o vídeo da colega, espero que ela não se importe. Depois voltamos a postar os nossos, tá? Assistam aí.
o blog dela é esse aqui




Bom, antes de começar, é importante que você saiba algumas coisas:

O famoso doutor Dukan é esse senhor aí da foto com cara de gente legal e amiga. O que ele de fato é:



Na biografia oficial em seu site, consta que começou a exercer a neurologia, sua especialidade médica no início da carreira, em uma pequena clínica de Montparnasse (Paris). À tarde, atuava como médico de família, e foi então que uma de suas consultas mudaria a sua vida. “Um dos meus pacientes era obeso, jovial, culto”, relata ele na biografia. “Um dia, me perguntou como podia perder peso. Eu lhe disse que não sabia nada de nutrição.”
Diante da insistência do paciente e do seu desejo de não renunciar à carne, Dukan lhe prescreveu um regime baseado “no consumo de carne o menos gordurosa possível e muita água”. O paciente, segundo seu testemunho, emagreceu cinco quilos em cinco dias. A partir desse dia, diz Dukan, ele abandonou a neurologia e decidiu se dedicar à nutrição. Ao longo de 20 anos, foi fazendo testes com diversos pacientes do seu consultório, até elaborar um método que convenceu milhões de pessoas no mundo todo.
Sua primeira tentativa de divulgar suas teorias sobre o emagrecimento foram seus livros A Celulite em Questão (1970) e Emagrecer: A Arma Absoluta (1979), mas foi Não Consigo Emagrecer, publicado em 2000, que lhe deu notoriedade. Em apenas três anos, o livro se tornou um autêntico best-seller, que hoje acumula mais de 13 milhões de exemplares vendidos em todo o mundo. Ao todo, publicou cerca de 20 títulos relacionados à perda de peso, que foram traduzidos em 26 idiomas. Em 2008, abriu um serviço de coaching via internet, que em três anos foi utilizado por 250.000 pessoas. Dukan chegou a propor uma modificação curricular no ensino médio na França para que os alunos que demonstrassem ter um índice de massa corporal adequado pudessem obter uma bonificação na prova de avaliação acadêmica.
Depois de bastante exaltada entre famosos, entre eles Catherine ( duquesa de Cambridge ), A dieta Dukan, como é conhecida mundialmente esse método alimentar, passou a ser duramente criaticada tanto por médicos como por quem não tem nada a dizer e apenas quer fazer barulho.
Dentre as principais criticas ouvidas tem sempre a de que a dieta é bastante restritiva e que por esse motivo faria um mal irremediável a saúde.
Minhas impressões

O que sei é que resolvi testar essa dieta, com acompanhamento médico e hoje com treze quilos a menos (queda essa que aconteceu em 5 meses!!!) posso falar de perto minhas impressões.
Não sou médica e tampouco nutricionista. O que sei é que com treze quilos acima do meu peso, minha vida não era nem de longe mais fácil que agora! 
Decidi pela dieta depois que tive um "ano difícil". Em 2014 tive um ganho expressivo de peso e nenhuma dessas dietinhas bobas de revista me soava como solucionadora dos meus problemas. Tudo me parecia difícil e sem respaldo, com alimentos estranhos e difíceis de encontrar.
Quando já no meu limite, sentido vergonha do meu corpo, coisa que nunca antes tinha me acontecido, conversei com uma amiga e ela me apontou o caminho. Pronto! depois daquele dia começaram as mudanças e tem vindos os frutos de alegria.
Muita gente, quando começou a perceber que eu estava emagrecendo, começou a "botar catinga" como dizem aqui na minha terra. Diziam que o Dukan era um irresponsável e que eu me arrependeria, sinceramente resolvi não dar ouvidos, fazer valer minha autenticidade e pisar fundo rumo a mudança.
Sempre quando me diziam que teria problemas por causa da dieta, eu respondia: Nunca vi banha livrar ninguém de nada. Nunca vi uma pessoa saltitando de feliz por ter se tornado obesa. Se minha dieta pode por um acaso vir a trazer algum problema controlável de saúde, o que eu sei com toda certeza é que gordura M-A-T-A!!!
Dieta, minhas amigas, é só mais uma coisa na vida que você vai querer fazer e vão tentar te atrapalhar.
Se você tem 10, 20, 30 ou mais quilos de banha te afastando da tua felicidade, vai lá e torra esse troço
Eu trabalho com moda (não sou modelo) mas ficava um pouco deslocada em ver tanta coisa linda que um dia me serviu, servindo apenas em meninas menos "cheinhas" pra mulher isso é complicado. Como emagrecer, fazia parte no meu projeto em aumento de felicidade, fui atrás disso.
Dukan me ajudou, e muito!!!!

Páginas que me ajudaram:
Blog Dietas e Receitas : Clica aqui
Esse blog tem diversas receitas distribuídas pelas fases e super ajuda na hora da falta de criatividade para cozinhar.
Projeto Dani Feliz : Clica aqui
A Dani resolveu ser feliz e um dos seus passou foi também fazer a Dukan. No blog tem dicas de receitas e coisas legais não só da dieta como de outros assuntos bem legais.
Vale o click!

Quero saber sua história!!!! Me conta nos cometários. Isso além de lhe lembrar do seu sucesso, pode ajudar outras pessoas.

Amanha tem: Minha rotina de exercícios
Bjos!!!

Sinopse
No século XIV a cidade de Veneza, na Itália, era uma das mais ricas do mundo. Entre os mais ricos de seus comerciantes estava Antônio, uma pessoa boa e generosa. Bassânio, um jovem veneziano, de origem nobre mas que gastou todo o seu patrimônio, deseja viajar para Belmonte, onde pretende cortejar a bela e rica herdeira Pórcia. Bassânio contacta seu amigo, Antônio, que havia sido seu fiador por diversas vezes, para pedir-lhe um empréstimo de três mil ducados, necessários para pagar os custos da viagem durante três meses. Antônio concorda, porém está com pouco dinheiro; seus navios e suas mercadorias estão no mar, e ele promete ser o fiador se Bassânio conseguir um empréstimo, e este procura o financista judeu Shylock.
Shylock odeia Antônio por seu antissemitismo, demonstrado certa vez em que ele insultou e cuspiu no judeu. Além disso, Antônio faz empréstimos sem juros, o que atrapalha os negócios de Shylock. Este propõe então uma condição para o empréstimo: se Antônio não conseguir pagá-lo na data especificada, ele receberá umalibra da carne de Antônio. Bassânio não quer que Antônio aceite uma condição tão arriscada, porém Antônio se surpreende com o que ele vê como 'generosidade' do agiota (já que ele não pede juros), e assina o contrato. Com o dinheiro em mãos, Bassânio parte para Belmonte com seu amigo, Graciano, que pediu para acompanhá-lo. Graciano é um jovem gentil, porém impertinente, extremamente falante e com grande falta de tato. Bassânio pede a seu amigo que tente se controlar, e os dois partem para Belmonte e Pórcia.
Enquanto isso em Belmonte, Pórcia está sendo visitada por diversos pretendentes. Seu pai lhe deixou um testamento estipulando que cada um dos seus pretendentes deve escolher corretamente um de três cofres - um de ouro, outro de prata e outro de chumbo, cada um com uma inscrição. Se escolher o correto, ele conquistará Pórcia; caso contrário, deverá ir embora e nunca mais incomodá-la, ou qualquer outra mulher, com uma proposta de casamento. O primeiro pretendente, o Príncipe do Marrocos, obcecado com luxo e dinheiro, escolhe o cofre de ouro: ao ver o de chumbo, cujo texto diz "Aquele que me escolher deve dar e apostar tudo o que tem", o príncipe afirma não desejar arriscar tudo por este metal; o de prata, que diz "Aquele que me escolher ganhará aquilo que merece", o que lhe soa como um convite à tortura; por sua vez o de ouro, que diz "Aquele que me escolher ganhará o que muitos homens desejam", soa a ele como a indicação de que quem escolhê-lo conquistará Pórcia. Dentro do cofre, no entanto, estão apenas umas poucas moedas de ouro e uma caveira, com umpergaminho onde está escrito versos célebres, All that glisters is not gold (Nem tudo que reluz é ouro) / Often have you heard that told / Many a man his life hath sold / But my outside to behold / Gilded tombs do worms enfold / Had you been as wise as bold, / Young in limbs, in judgment old / Your answer had not been inscroll'd: / Fare you well; your suit is cold. O segundo pretendente é o arrogante Príncipe de Aragão, que decide não escolher o chumbo, por ser muito ordinário, nem o ouro, porque então ele irá conquistar aquilo que é desejado por muitos homens, e ele quer se distinguir das multidões bárbaras. Ele decide então escolher a prata, pois o cofre prateado, que lhe promete dar aquilo que ele merece, deve reservar-lhe algo grande - uma vez que ele se imagina, de maneira egoísta, como sendo uma grande pessoa. Dentro do cofre, no entanto, está a imagem da cabeça de um bobo da corte sobre um bastão, com o comentário: "What's here? the portrait of a blinking idiot… / Did I deserve no more than a fool's head?"1 ("O que está aqui? o retrato de um idiota que pisca... / não merecia eu nada mais que a cabeça de um tolo?") O pergaminho então segue: "Some there be that shadows kiss; / Such have but a shadow's bliss: / …Take what wife you will to bed, / I will ever be your head" — significando que ele havia sido tolo para imaginar que um homem pomposo como ele poderia ser um marido apropriado para Pórcia, e que ele sempre havia sido e seria um tolo, e o fato dele ter escolhido o cofre de prata é uma mera prova disto. O último pretendente é Bassânio, que escolhe o cofre de chumbo; enquanto ele pondera sua escolha, membros do domicílio de Pórcia entoam uma canção que afirma que a "fantasia" (e não o amor sincero) é "engendrada nos olhos, / e alimentada com o olhar." ("engend'red in the eyes, / With gazing fed.")2 Aparentemente em resposta a esta pequena peça filosófica, Bassânio então comenta, ao fazer a escolha correta: "So may the outward shows be least themselves. / The world is still deceived with ornament." And at the end of the same speech, just before choosing the least valuable, and least showy metal, Bassanio says, "Thy paleness moves me more than eloquence; / And here choose I; joy be the consequence!"
Em Veneza, chega a notícia de que os navios de Antônio se perderam em alto-mar, o que lhe impossibilita a pagar a fiança (em linguagem financeira, insolvente). Shylock fica então ainda mais determinado a conquistar sua vingança sobre um cristão depois que sua filha, Jéssica, abandona o seu lar e se converte aocristianismo para se casar com Lourenço, levando com ela uma grande quantidade do dinheiro de Shylock e um anel de turquiesa, presente que Shylock havia ganho de sua falecida esposa, Léa (Leah). Shylock consegue que Antônio seja preso e levado ao tribunal.
Em Belmonte, Pórcia e Bassânio acabaram de se casar, juntamente com Graciano e a criada de Pórcia, Nerissa. Bassânio recebe então uma carta que lhe conta sobre o ocorrido com Antônio; em choque, ambos partem para Veneza imediatamente, com dinheiro emprestado por Pórcia, para pagar Shylock e salvar a vida de Antônio. Sem que Bassânio e Graciano saibam, Pórcia faz com que seu criado, Baltasar, peça a ajuda do seu primo, Belário, um advogado de Pádua.
O auge da peça ocorre no tribunal do Duque de Veneza. Shylock recusa a oferta de 6.000 ducados feita por Bassânio, o dobro do que havia sido emprestado originalmente, e exige sua libra de carne de Antônio. O Duque, querendo salvar Antônio porém evitando abrir o perigoso precedente legal de invalidar um contrato, entrega o caso a um visitante que se apresenta como Baltasar, um jovem "doutor em direito", que traz uma carta de recomendação para o Duque do célebre advogado Belário. O "doutor", na verdade, é Pórcia disfarçada, e o seu "ajudante" é Nerissa, também disfarçada. Pórcia, no papel de Baltasar, pede a Shylock que tenha misericórdia numa célebre fala ("The quality of mercy is not strain'd, It droppeth as the gentle rain from heaven Upon the place beneath. It is twice blest: It blesseth him that gives and him that takes."—IV,i,185, pedindo pelo perdão da dívida), porém Shylock recusa. O tribunal, então, se vê obrigado a permitir a Shylock que pegue sua libra de carne. Shylock manda Antônio "se preparar"; no mesmo instante, no entanto, Pórcia aponta uma falha no contrato; os seus termos permitem que Shylock remova apenas a carne, e não o sangue de Antônio, de modo que se Shylock derramar uma gota sequer do sangue de Antônio, suas "terras e bens" seriam confiscados, de acordo com as leis de Veneza.
Derrotado, Shylock admite aceitar a oferta de dinheiro feita por Bassânio, porém Pórcia argumenta que ele não teria mais direito a ela, por tê-la recusado. Cita então uma lei segundo a qual Shylock, na qualidade de judeu e, portanto, "estrangeiro", tinha aberto mão de sua propriedade ao tentar tirar a vida de um cidadão da cidade, e deve legar metade do que tem ao governo e metade a Antônio, com sua vida à mercê do Duque. O Duque imediatamente poupa sua vida, e Antônio pede por sua parte "em uso", isto é, mantendo uma parte em poupança enquanto utiliza apenas os rendimentos, até a morte de Shylock, quando a quantia deve ser dada a Lourenço e Jéssica. A pedido de Antônio, o Duque abre mão da metade destinada ao Estado, porém em troca Shylock é obrigado a se converter ao cristianismo e fazer um testamento legando toda sua propriedade à sua filha e seu marido. (IV,i).
Bassânio não reconhece sua esposa disfarçada, porém oferece um presente ao suposto advogado. Pórcia, ainda sob disfarce, primeiro recusa o presente, porém após alguma insistência, ela pede o seu anel e as luvas de Antônio. Este dá as luvas sem qualquer hesitação, porém Bassânio só se desfaz de seu anel após muita insistência de Antônio, já que ele havia prometido a sua esposa jamais perdê-lo, vendê-lo ou dá-lo. Nerissa, ainda como ajudante do advogado, também consegue obter o anel que havia dado a Graciano em circunstâncias semelhantes, sem que este perceba o que está acontecendo. Em Belmonte, Pórcia e Nerissa provocam e fingem revolta com seus maridos antes de revelarem a eles que eram, na realidade, o advogado e o ajudante (V). Depois de todos os personagens fazerem as pazes, Antônio ouve de Pórcia a notícia de que três de seus navios não se perderam, e acabaram chegando com segurança ao porto.\\\\\\
Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção,
Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção,
Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção,
Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção,
Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção,
Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção,
Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção,
Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção,
Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção,
Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção,
Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção,
Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção,
Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção,
Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção,
Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção,
Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção, Promoção,



Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda,
Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda,
Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda,
Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda,
Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda,
Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda,
Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda,
Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda,
Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda,
Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda,
Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda,
Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda,
Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda,
Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda,
Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda,

Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, Moda, 


Fiquei com esse texto por meses guardado na gaveta e escolhi para marcar o retorno do Quiccez a ativa porque tenho vinte e poucos anos e pasmem : Me sinto velha

Tava aqui pensando e resolvi escrever...

O que é o tempo se não um medidor lógico das coisas ilógicas do universo? Todos os dias acesso a interner (viciosinho) e não paro de ver matérias que indicam: Fulana de Tal, tantos anos de idade fez isso e isso e sempre penso...porque a idade de uma pessoa é tão fundamental antes de se falar de um comportamento? O que é que tem se uma atriz que está de namorado novo tem de diferença de idade dele 5 ou 50 anos? e mais, porque que isso é tão importante?
Prestes a mudar de idade tenho estado em crise esses dias e vou confessar uma coisa pra vocês, já até
busquei no google referencias de pessoas com a mesma idade pra poder traçar um tipo de padrão de comportamento. kkkkkk
Ainda nem saí da casa dos 20 e poucos (tá é loooonge) mas em dia algum a pressão da idade passando desaparece.
Escuto coisas do tipo: Fulana é 5 anos mais nova que você e já saiu da casa dos pais ou já tem 2 filhos e um cachorro ou já ganhou na mega acumulada 3 vezes ou já é P.H.D. em física quântica em Havard. Sei lá as vezes o padrão é tão alto que acho que o povo inventa pra tentar me deprimir kkkkkk
Daí que depois de tanto pensar a respeito da situação cheguei ao meu padrão e acho o seguinte: Existem pessoas que aos 15 já tem sucesso profissional, mas que nunca alcançam a felicidade afetiva, ou que já aos 20 tem filhos, família, mas que nem sequer realizaram um sonho fora disso, Uma faculdade por exemplo...
Assim penso que todos temos bastante tempo de vida e se alguns morrem mais cedo e outros mais tarde, nada mais compreensível que por forças naturais também, as coisas aconteçam mais cedo pra uns do que pra outros.
Suponha que você e eu talvez vamos viver até os 80 e poucos anos de idade...
Porque você acha que aos 22 já tem que ter família, sucesso, dinheiro, felicidade e amor?
Se você já tiver tudo isso aos 20 e poucos, vai passar o resto da vida, os 50 e poucos anos depois buscando o que? morrendo de tédio? É melhor não né?!
Então pessoas do meu corazón, menos encucação e mais aceitação. Sei que o que vou dizer agora é a coisa mais piegas do mundo mas, é melhor pensar em quais são as suas prioridades na vida, os seus pilares, e quais deles você já alcançou.
Sabia que pode nesse momento no mundo ter uma pessoa jovem e rica se sentido mal por não ter uma família? ou um amor de verdade? coisas que você lindinha aí pode ter (ou não)
A pessoa que você pensa que é mais nova que você e já tem tudo, pode não ter alcançado (certamente não terá alcançado) seus próprios pilares e está é claro, correndo em busca de outras coisas.
Desencuque! melhor começar a ser feliz agora do que nunca ser!!!



Essa semana, recebi um e-mail que não poderia ser mais comum...Vinha como tantos outros com a seguinte pergunta: "Porque amamos quem nos despreza e desprezamos quem nos ama?" Nossa, nem consigo explicar o quanto já pensei acerca disso. Sem sombra de dúvidas é uma questão daquelas cujas raízes são profundas. Depois de muito analisar, cheguei a uma conclusão que tentarei simplificar ao máximo por aqui. 
Alguns psicólogos, colocam como ponto de início desta questão a necessidade que tínhamos da aceitação por parte do nosso primeiro amor, nossos pais; devo deixar claro que não concordo muito com essa teoria, embora ela seja bastante respeitada no meio acadêmico. Não sei se perceberam ou se por algum motivo fizeram a relação. Trata-se de Freud.
Depois de ler bastante a respeito do tema, cheguei ao ponto que considero crucial. A pessoa que escreve uma pergunta como esta que citei está mais preocupada com o sintoma do que com a causa e por conta disso poderíamos filosofar e imaginar aqui as causas por horas e muito pouco teríamos feito.
O desprezo por si só, independente do motivo pelo qual isso acontece, nos prende quase que fatalmente a quem nos lança. Querer a atenção, o gostar de alguém e não tê-lo, funciona em nossa psiquê como um combustível que nos impulsiona a buscar mais e mais o objeto de nosso desejo, e quanto mais difícil nos parece, mais nos emprenhamos em buscá-lo. (Quem dera fossemos assim com assuntos mais práticos de nossas vidas...) O que nem sempre percebemos é que ao buscar incessantemente pela atenção de alguém, o colocamos como pessoa merecedora de nossa busca, ou seja, alguém mais importante do que nós mesmos. Isso gera um ciclo vicioso, no qual você demonstra que quer ser visto por alguém, mas a pessoa não te olha para continuar perpetuando a sua tentativa e a sensação de que ela é o centro de seu universo.
Quando você se encontrar numa situação como essa, só tem uma coisa a qual você pode e deve fazer: Aprender a lutar com as armas do seu opressor! Aprender a desprezar também.
Quando você se sente desprezado, acaba inconscientemente atraído a buscar mais atenção não é mesmo? Por que então acha que só você é assim? Os seres humanos, embora tão diversificados, tem sem dúvida pontos de intercessão entre si e esse é um deles.
Enquanto você despreza alguém, isso deve se dar de forma tão sutil que não lhe machuque, acredito que já deve estar ferida o suficiente pra ter chegado até aqui. Faça o seguinte e aos poucos:
*Busque relativizar a importância que a pessoa tem em sua vida;
*Tenha outros interesses;
*Tente conhecer,mesmo que virtualmente, outras pessoas;
*Aumente sem pechincha o seu amor próprio;
*Entenda por fim, que na vida é preciso ser forte, e conseguir desprezar quem te machuca vai ser bom pra você (quando parar de doer, é claro)
Quando nos fragilizamos, nos vitimizamos frente a alguém, aumentamos o poder que essa pessoa exerce sobre nós e ela passa a nos infantilizar. Nos achar bobas e por vezes até ridícula e carente demais. Isso reduz drasticamente os sentimentos que uma pessoa tem por você. É difícil amar o "coitado"! Sempre vamos preferir amar o herói ou a mocinha que por mais que tudo aconteça com ela, continua firme e forte. Essa é uma atitude digna do mulherão (ou super homem) que desejo do fundo do coração que você se torne. Seja feliz sozinho(a). Só quando não precisar de ninguém e não mendigar a atenção de ninguém, que todos os "alguéns" quererão se aproximar de você.

bjcas 

Maria Clara
#Corrão!!!! Paulo Gustavo, aquele que tem uma mãe que todo mundo queria na família #amamosdonaDeia inaugurou sua loja online de roupas e acessórios hoje (30.10). Assim que soube já corri pra lá direto pra ver o que o PG tinha aprontado dessa vez.
A marca ao que me parece, está começando a ser desenvolvida agora, então não tem ainda milhares de coisas e tals, mas isso não impede que a gente já tenha fisgado algumas coisinhas pra chamar de nossas não é? Fiz as minhas escolhas e estou calculando as minhas aquisições aqui...Olha aí os meus preferidos!
PG mandou colocar um kg de sal nos preços néah, achei caro, masssss como ainda não vi (pegando kkkk) nos produtos, não sei do que se trata. Estamos aqui na esperança de que valerá a pena. Dá desconto aí PG!!!!
Ficou com vontade? Tem aqui na loja online 

O premio multishow reuniu nessa terça - feira 28/10 vários artistas e pessoas exóticas com o fito de escolher melhores e menos piores artistas da música de nossa sublime geração.
Vejamos, não vamos entrar no mérito dos premiados, nosso lance aqui é outro. Vamos é futricar os looks né meu povo? como sempre! Siiimbora
TEVE:

Tem uma coisa que me deixa um pouco preocupada quando tem premiação em terras tupiniquins...As mulheres daqui, são uns abalos de tão lindas mas, quando chega a hora de abalar as estruturas ficam todas acanhadinhas e usam looks que parecem que "vou só bem ali fazer uma coisa e já volto!"
fico passada! Observe bem que dessa fileira de cima a unica que chama atenção é
Antônia Fontenelle que nem indicada ao premio é! Gostei um pouquinho também da Natália Rodrigues, mas falta um pouco de Glam, não se pode negar...Enfim...



Ivete, acredito eu, já foi na certeza que ia ganhar. Ela tem cara e jeito de quem ganha tudo, vocês não acham? Gosto muito dela #alguemnãogosta? Vanessinha também estava linda, nem parece que é da matta! kkk #tsc.
Claro que como toda noite de premiação que se preze, no Brazeel ou no mundo tinha que ter as miqueiras. Aqui no Brasil, como as meninas são discretas e zzzzzz ... Até quem erra, erra devagar, mas mesmo assim, ainda temos material hehe! Destaque para MC Ludimilla, Karin Hils e Alinne Rosa. gente, como assim? Ludimilla saiu de casa pra ir direto pro batidão, muita perna, muita bunda, muito peito, muito tudo e tudo isso muito apertado, me deu falta de ar! Karin, é uma mulher exuberante, em "sexo e as negas" ela aparece e o povo para pra ver. Linda! mas precisava achar que ia pra uma festa no iate club? Gente que coisa mais primaveril, mais veronil, mais nada a ver, Não curti. Alinne parece que pegou uma camisa emprestada do boy magia e colocou com uma saia também achada nos "avulsos" e correu pra festa porque já era tarde. Tentou algo conceitual, mas não rolou! Volte uma casa (a sua mesmo) e tente outra vez. Por falar nisso....
" Tente! não diga que a vitória está perdida, tenha fé em Deus tenha fé na vidaaaaaaaaa. Tente outra veeeeeeeeeez"
Mesmo com tudo isso, não teve pra mais ninguém, escolhemos , ou melhor, Sandreca escolheu a mais mais entre as minas, a rainha do baile a nossa #sqn da vez e a vencedora (ou não) foi.... than than than than!!!!!



Bem, é isso meninas, entre bonitas e mal vestidas escaparam todas. Agora, dois lembretes: 1: Novas informações a qualquer momento, de qualquer lugar no mundo
2: Todos os looks que tem aqui, tem "bem grandão" na nossa galeria bem como tem também o nosso lindo material extra.
Pra chegar na nossa galeria, taque o dedo bem aqui!
Xéru!











Já tinha ouvido falar "milagres" desse produto até que me enchi de coragem e resolvi colocar meus, até então virgens, cabelos na reta haha.
Já tinha visto outras pessoas aplicando e cheguei a conclusão, como escovo o meu próprio cabelo, de que seria fácil. Ótimo, começamos bem. acertei os primeiros passos, lavei com o shampoo que vem no kit passei o tal gloss redutor e comecei a saga da escovação usando o produto nos cabelos. Que sufoco! como é difícil escovar usando o produto! o cabelo fica pesado e liguento, mas enfim, concluída a operação aí se passa para a hora da prancha, nove vezes bem contadas em casa mecha fina, só aí já se foi uma hora no mínimo, mas ainda estamos bem. Deve-se então aguardar uns quinze minutos (deixei uma hora pra garantir) e enxaguar abundantemente o cabelo para então passar para o terceiro passo que é o de aplicar mecha por mecha o "selador" passo 3 e ultimo do kit. Até aqui já se passaram quatro horas e tudo ainda está maravilhoso, mas como alegria de pobre tem uma leve tendencia a acabar... Na hora de enxaguar veio a surpresinha ... Um cheiro horrível que lembra sapo ou rato morto, ainda não decidi qual o bicho. Fiquei com ódio do cheiro (Tem coisa pior que catinga na cabeça?! rsrsrs). Fui atras de uma forma pra tirar, lavei o cabelo com café forte, com vinagre, com 5 shampoos e a catinga aqui, reinando absoluta #raivadefine Conclusão:
1-O produto que dizem não ter formol parece que tem um pouco sim, porque o cabelo fica bem liso;
2-O cheiro do produto antes de passar é maravilhoso, o que vai te fazer achar que estou mentindo;
3- Se você usar, vai achar perfeito nele seco mas ao molhar vai me dar razão;
4- Nem pense em ficar suada, A inhaca vai piorar e muito;
5-Nada além do tempo (1 semana lavando todos os dias) será capaz de fazer diminuir
6-Você assim como eu vai dizer por aí..." se não fosse o cheiro pós aplicação, seria perfeito;


Preço: R$ 50,00 (em média)
Quantidade : 150ml ou 500ml
Melhor lugar para comprar : Rede Lojas (online) sempre tem promoção;
Nota : 7,0


Deixe seu comentário e nos ajude a fazer um blog cada vez melhor!
Bjocas!